Liturgia: Curso para leitores, salmistas, comentaristas e ministérios da música

NA LITURGIA OS PROCLAMADORES DA PALAVRA DE DEUS TAMBÉM SÃO OS SALMISTAS (e porque não dizer que os ministérios da música, apesar de não proclamarem diretamente a Palavra, são  eficazes instrumentos para a sua compreensão?)

Os membros dos ministérios da música serão contemplados nas reflexões abaixo  se humildemente reconhecerem  que o instrumento  maior deste ministério é a voz. Não há  indicações de escolhas litúrgicas das músicas e nem tão pouco instruções musicais, mas sim o uso da voz.

Acompanhe as instruções  abaixo e as coloque em prática.  As mesmas instruções para os leitores e salmistas  servem para os instrumentistas e cantores .  Bom proveito

Quando alguém lê ou canta  em voz alta nas Celebrações não fala ou canta só para si. Tem diante dele um público (Assembleia) que, ouvindo, quer compreender o que Deus, através do Leitor -que obviamente lê – ou dos cantores – que entoam letras baseadas na Bíblia -, comunicá.  Aquele que lê   nas Celebrações, portanto, proclama a Palavra de Deus para a Assembleia e os cantores ajudam a compreende-lau. E Deus tem uma mensagem a passar para as pessoas que ouvem a sua Palavra. Quem proclama a Palavra na Igreja, pois, tem esta missão: transmitir com clareza a mensagem de Deus.

INFELIZMENTE, NEM SEMPRE

A MENSAGEM É TRANSMITIDA COM CLAREZA

Há algumas pessoas que desejam ler a Palavra na Celebração, mas que não conseguem proclamá-la com clareza. O que fazer? Excluí-las ou treiná-las? É lógico que existem aqueles e aquelas que proclamam a Palavra de forma audível e inteligível. Vamos escolher somente estas para proclamar a Palavra? Não! Todas as pessoas sejam crianças, adolescentes, jovens, adultas e idosas, devem ter a oportunidade de proclamar a Palavra. Mas todas, tanto as que leem com desenvoltura como aquelas com dificuldades devem ser de treinadas para este ministério. A Assembleia não pode contar com a sorte: hoje vai proclamar a Palavra uma pessoa que possibilite a compreensão da mensagem?

Há pessoas que são inibidas e tem dificuldade em proclamar as leituras, mas querem exercer este ministério. Também existem outras extrovertidas e, por isso, com mais desenvoltura para proclamar a Palavra em público. O que fazer? Escolher somente quem é extrovertido e lê bem? Excluir as pessoas tímidas? É preciso entender o problema para se encontrar a solução.

TÍMIDOS OU EXTROVERTIDOS, MUITAS VEZES, TÊM OS MESMOS PROBLEMAS:

1 – Falta de dicção

2 – Desconhecimentos das regras de pontuação

3 – Desconhecimentos das regras de leitura

4 – Falta conhecimento da Palavra. É preciso  entender o que se vai ler para poder proclamar a Palavra com toda a entonação que as leituras merecem e precisam.

Ou seja: tímidos e extrovertidos precisam entender o que estão lendo. É preciso que entendam a mensagem daquela leitura para poderem proclamá-la corretamente.

Uma dica para os tímidos: A desinibição vem com técnicas de leitura, dicção, pronúncia, e com o entendimento das leituras e da importância do leitor para a Missa.

Parece incrível, mas, não raro os leitores simplesmente não percebem e muitos nem sabem que são Ministros Extraordinários da Palavra e atuam de forma importantíssima na Liturgia da Palavra. Assim acabam não percebendo sua importância para a Missa. (repetindo, mesmo sendo redundante):

O Ministro Ordinário da Palavra é o Padre

Se a assembleia não entende as leituras como poderá dela comungar? E como o padre poderá explicá-las na homilia, se a Assembleia não compreendeu o que foi lido? “Vocês ouviram o que São Paulo disse na Carta aos Coríntios”, diz o padre tentando fazer a relação entre a leitura e o Evangelho. Se as pessoas não compreenderam a palavra de São Paulo proclamada pelo leitor, como vão entender a relação que o padre faz daquela leitura com o Evangelho?

Para que o Padre possa refletir as leituras na homilia, é preciso que os leitores tenham proclamado a Palavra utilizando instrumentos de ampliação do som que faça suas vozes chegar a todas as pessoas. E mais: que a voz que é captada pelos ouvidos seja inteligível. Para que isso aconteça é preciso uma preparação (concentração) antes da celebração. Por exemplo, o leitor vai proclamar um trecho de uma das cartas de São Paulo. O leitor tem que se imaginar como São Paulo falando; outras vezes terá que imaginar como Deus falou com Moisés.

Dessa forma o leitor vai preparando a assembleia para o Evangelho e depois para a homilia.

ALÉM DA VOZ, É PRECISO SABER LIDAR COM O MICROFONE

É preciso também ensinar o leitor a falar no microfone. Quando ele é de segurar na mão, tem gente que quase o engole – e tem quem acha que é para segurá-lo na altura da barriga. Quando fixo, o direciona na altura da testa ou do pescoço (Mais adiante vamos explicar melhor o uso dos microfones nas nossas comunidades).

Então é preciso ensinar a técnica de falar ao microfone – isso depois que a pessoa já estiver com a leitura preparada. E depois de tudo isso é preciso saber que mesmo o leitor mais experiente vai ter que ensaiar.                           A Bíblia tem palavras e nomes difíceis, e se o leitor não ensaiar alguns dias antes pelo menos ele pode tropeçar.

Muitas vezes a falta de uma consoante, as últimas sílabas não pronunciadas ou uma mudança na entonação de uma palavra simplesmente destrói todo o sentido da leitura. Por isso depois do leitor entender o que vai proclamar e ter técnica de dicção e de microfone, ainda assim vai ser preciso ensaiar.

Os leitores (sejam Crianças, jovens, adolescentes, adultos ou idosos), precisam sempre ensaiar alguns dias antes da celebração. A equipe de celebração (as pessoas encarregadas daquela celebração), assessorados pela Equipe de Liturgia (as pessoas encarregadas por todas as celebrações da Paróquia), devem explicar aos Proclamadores da Palavra o sentido da leitura que farão de maneira facilitada, que possam entender e assim dar o sentido necessário à leitura. É importante também sempre treinar o uso do microfone e corrigir possíveis erros ou confusões na dicção.

 OS LEITORES, AO COMPREENDEREM O QUE PROCLAMAM,  AJUDAM A ASSEMBLEIA A TAMBÉM COMPREENDER A BÍBLIA

Fazer as leituras é uma grande responsabilidade. Mas é também um grande aprendizado da Bíblia para o leitor. Esse trabalho de interpretação, de entender o que aquele trecho a ser lido quer expressar aos ouvintes, vale como estudo bíblico e aprofundamento nas bases da nossa fé. E tudo isso ajuda a Assembleia a compreender também a Bíblia através da proclamação dos Ministros Extraordinários da Palavra (Leigos) e depois pelo Ministro Ordinário da Palavra (o padre ou diácono).

 O LEITOR PRECISA COMPREENDER O QUE VAI PROCLAMAR

MAS TAMBÉM PRECISA COMPREENDER O AMBIENTE EM QUE VAI PROCLAMAR: A EUCARISTIA (A MISSA)

A Missa (Eucaristia) é o maior culto que prestamos a Deus, é o culto completo. Nela temos dois momentos nos quais a Assembleia comunga:

Primeiro Momento de Comunhão: a Celebração da Palavra

Neste momento a Assembleia comunga a Palavra de Deus. E quem oferece esta comunhão são os Ministros Extraordinários da Palavra, as pessoas que proclamam as Leituras, o Salmo e também o Evangelho (proclamado pelo padre – Ministro Ordinário da Palavra – que também é um dos leitores na Missa).

Segundo Momento de Comunhão: a Celebração Eucarística

Os Ministros Extraordinários da Santa Comunhão (Leigos) e o Ministro Ordinário da Comunhão (Ministros Ordenados), oferecem para a Assembleia o Corpo e o Sangue de Cristo.  Assim como as Leituras devem ser bem proclamadas para  que sejam audíveis e inteligíveis para a plena comunhão da Assembleia, também o Pão e o Vinho devem ser visíveis para que a Assembleia faça a plena comunhão do Cristo Eucarístico.

Na Missa (Eucaristia) Jesus é o orante principal. Jesus age pessoalmente como mediador para nossa salvação. Jesus age na pessoa do sacerdote. Não é o sacerdote que age por seus dons, mas é o próprio Cristo agindo na pessoa dele. Por isso, a missa não depende dos dons pessoais do padre. Somente é preciso que o sacerdote tenha sido válida e licitamente ordenado por um Bispo que esteja em plena comunhão com a Igreja. Jesus também, de forma misteriosa, age na pessoa dos leitores. Quando o Ministro Extraordinário da Palavra (leitor ou salmista)  se aproxima do ambão, repete a experiência de Jesus, narrada no Evangelho de Lucas 4,16-21:

“E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler. E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração. A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do SENHOR. E, fechando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele. Então começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos”.

O QUE É A MISSA (CELEBRAÇÃO DA EUCARISTIA)

Disse Jesus: “Fazei isto em memória de Mim” (Lc 22,19). Memória não é só recordarmos o que Jesus disse e fez, mas é atualização do Mistério Pascal. Ou seja:

A Missa não é representação da Santa Ceia celebrada por Jesus. É a Santa Ceia acontecendo (atualizada) a cada celebração Eucarística.

A Eucaristia une passado, presente e futuro. Jesus se torna presente sobre o Altar, enquanto esperamos sua vinda gloriosa.

Participar da missa é como colocarmos os pés na eternidade (embora, ainda estejamos neste mundo) é sentirmos o sabor da Páscoa. Lembremos que Eucaristia não é só Pão e Vinho consagrados, mas toda a celebração da Missa, que acontece na seguinte dinâmica:

  • Ritos Iniciais (Invocação da Trindade, Ato Penitencial, Glória, Oração da Coleta).
  • Liturgia da Palavra (Leituras, Salmo, Evangelho, Homilia, Credo, Oração dos Fiéis).
  • Liturgia Eucarística (Ofertório, Rito Eucarístico, Rito da Comunhão).
  • Ritos Finais (Oração Pós Comunhão, Benção Final).

Em todos estes momentos os Microfones devem estar funcionando e os Leitores bem preparados.

O Padre é o Leitor que mais atua na Missa. Ele lê as orações próprias da celebração, Proclama o Evangelho, faz a leitura do Prefácio (que antecede a Oração Eucarística), proclama a Oração Eucarística, intercalada com as respostas da assembleia, lê o rito da comunhão. Portanto, também o sacerdote tem que preparar a voz, preparar-se lendo antecipadamente as leituras próprias da celebração e principalmente, saber utilizar o microfone.

FORMAÇÃO DOS PROCLAMADORES DA 

Como vimos até agora, na Missa (Eucaristia) a palavra constitui aspecto elevado. A palavra na liturgia tem uma série de implicações, entre as quais podemos destacar:

Com a palavra podemos: convocar e acolher a assembleia, receber e saudar as pessoas, rezar e ler, aclamar e cantar, cumprimentar, admoestar, convidar, informar, notificar, avisar.

Não existe celebração na liturgia cristã onde não se proclame a Palavra de Deus. A Palavra de Deus na Liturgia é mais do que uma instrução ou informação: “é presença salvífica”.

Deus sempre fala para a mente e o coração daqueloes que o procuram. A Palavra de Deus é viva e eficaz. É ISTO QUE FALA São Paulo na Carta aos Hebreus: “Porque a Palavra de Deus é viva e eficaz, mais penetrante do que uma espada de dois gumes; e atinge até a divisão da alma e do corpo, das juntas e medulas, e discerne os pensamentos e intenções do coração” (Heb 4,12)

Pela repetição proposital desejo fixar na mente de todas as comunidades que:

è quem se coloca a serviço de Deus e da comunidade para o exercício do Ministério Extraordinário da Palavra (Leitores e Salmistas), deve ter consciência plena de que empresta sua voz ao próprio Deus.

Por isso o Proclamador da Palavra deve se preparar.

Muitas vezes não consegue ler corretamente nas assembleias litúrgicas quem antes não treinou, não meditou, não penetrou no texto a ser proclamado.

Um dos textos Bíblicos que pode e deve inspirar os Proclamadores Extraordinários e Ordinários da Palavra é este trecho de Ezequiel, que usa o termo “rolo” para se referir aos textos Bíblicos. Naquela época não existiam livros como hoje. Tudo era escrito em grandes papiros (material feito com plantas e resinas que, depois de receberem a escrita eram enrolados). Ezequiel (3,1-4) fala da necessidade de ler como se a pessoa que o faz comesse as palavras, ou seja, comungando da Palavra lida, que tem o gosto como o mel.

“Filho do homem, falou-me, como o rolo que aqui está e, em seguida, vai falar à casa de Israel. Abri a boca e ele me fez engolir. Filho do Homem, falou-me, nutre o teu corpo, enche o teu estômago com o rolo que te dou. Então comi, e era doce na boca, como o mel”

 COMENTARISTAS E MINISTÉRIOS DA MÚSICA

Até agora não falamos diretamente sobre as figuras do Ministérios dos Comentaristas e dos Ministérios da Música. Estes Ministérios também devem ensaiar e treinar o uso do microfone e, principalmente, preparar a voz. Importantíssimo: conhecer o espírito que orienta a celebração que comentarão ou entoarão os cânticos. Sem esta sintonia pode haver equívocos que prejudicarão a compreensão da liturgia. O Comentarista deve ser muito bem orientado sobre os momentos nos quais irá convidar à participação a assembleia.  Antes de chamar a assembleia à escuta atenta das leituras, deve esperar o padre proclamar a Oração da Coleta. Os comentários devem ser pequenos e sempre feitos com calma e nos momentos certos.

O Ministério da Música deve atentar-se para que o som dos instrumentos não tenha mais destaque que a voz dos cantores. Também as letras das músicas são mensagens que devem ser assimiladas pela assembleia. Muitas vezes o padre usa uma estrofe de alguma música para a reflexão na homilia.

Comentaristas, Instrumentistas e Cantores participam, ainda que de forma indireta, da Proclamação da Palavra, não no seu sentido estrito, mas no espírito da compreensão do que é Proclamado.

ATITUDES NECESSÁRIAS PARA OS PROCLAMADORES DA PALAVRA

É preciso que  o  Proclamador da Palavra saiba o texto com antecedência e procure aprofundar sua mensagem para poder dar vida e calor à leitura. Igualmente importante: èOs Leitores, Salmistas, Comentaristas e Ministérios da Música devem acreditar e trazer para a vida o que  anunciam  pelas  leituras,  salmos, cânticos e comentários. Deus  pede testemunhas vivas e todos que participam diretamente da Liturgia devem ser essas testemunhas. Leia o que diz São Paulo na sua Carta aos Romanos: “Porém, como invocarão aquele em quem não tem fé? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar se não houver quem pregue? Logo, a fé provém da pregação e a pregação se exerce em razão da Palavra de Cristo” (Rm 10,14-17)

O PROCLAMADOR DA PALAVRA  NÃO APENAS LÊ, MAS COMUNICA.

A formação técnica do proclamador da Palavra também é muito importante. O proclamador da Palavra ao proclamar a Palavra de Deus deve fazê-lo de tal forma que todos os presentes da assembleia “ouçam e entendam”. Por isso uma das principais virtudes do Proclamador da Palavra é a humildade. Somente pessoas humildes acatam as observações (críticas positivas) que as ajudarão a serem cada vez mais instrumentos de comunicação entre Deus e o povo que celebra.

 A VOZ DO PROCLAMADOR DA PALAVRA:

A voz do Proclamador da Palavra deve ser clara e firme. Deve acompanhar e expressar o momento vivido. A voz de pedir perdão é diferente da voz que anuncia glória.

A voz da Páscoa é alegre.  è A voz do perdão é sóbria. è A voz que proclama glória é animada. è A voz da meditação é carinhosa.

Quanto ao tom de voz podemos classificar a voz em quatro espécies:

Voz de ouro = entusiasta, empolga, é alta e clara, leva o ouvinte a sentir pelo que anuncia (Glória, Páscoa, Aleluia).

Voz de prata = é normal, descritiva, calma, carinhosa. Encaminha a meditação.

Voz de bronze = é misteriosa, sólida, sinistra: é a voz do perdão, da repreensão.

Voz de veludo = misto de ouro e prata, voz de amor, do entendimento, do carinho.

Na leitura, tudo deve ser bem pronunciado, bem articulado, observar as pausas, ponto final, exclamação, interrogação, entonação.

Nas pausas longas, o proclamador da Palavra pode e deve olhar por uns instantes para a assembleia a fim de aproximar-se

A dicção é fundamental: O proclamador da Palavra deve olhar para a assembleia e dizer solenemente: “Palavra do Senhor”. Somente depois da resposta da Assembleia – “Graças a Deus” -, é que o leitor caminha para frente do altar e faz a devida reverência.

Postura do proclamador da Palavra: Quem lê na Celebração deve ter cuidado com a postura junto ao ambão (mesa da Palavra). Nunca ler com as mãos nos bolsos ou para traz ou na cintura.

Traje: As roupas devem ser decentes, discretas, cuidado com roupas curtas, com estampas muito coloridas, excesso de joias. Lembre-se: escândalos no trajar, se tornam obstáculos para que os demais aceitem a mensagem da Palavra de Deus.

Não chegue atrasado, suando, afobado, com pressa, tudo isso influencia na celebração.

ELEMENTOS DE QUALQUER COMUNICAÇÃO

EMISSOR: é aquele que transmite a mensagem ao receptor.

MENSAGEM: é o conteúdo transmitido.

RECEPTOR: é aquele que recebe a mensagem transmitida pelo emissor.

A respiração é algo tão natural que nem nos damos conta da sua importância para a comunicação. Uma correta respiração ajuda o EMISSOR a transmitir com clareza a mensagem. Quando respira de forma adequada, o cérebro é oxigenado e trabalha com maior eficiência para dar ênfase certa para cada palavra, no mesmo tempo que visualiza o todo do conteúdo que quer expressar. É um trabalho muito complexo que necessita do expirar e do inspirar o ar de forma correta.

Também o RECEPTOR quando escuta deve respirar para poder oxigenar o cérebro e possibilitar uma compreensão correta do que ouve. Quando  estamos nervosos, a respiração é muito afetada. Por isso nos momentos dee tensões as pessoas falam o que não queriam dizer ou escutam de forma incorreta o que foi dito. Ou seja, respirar adequadamente é uma forma de evitar muitas confusões.

IMPORTÂNCIA DA RESPIRAÇÃO NA COMUNICAÇÃO

 RESPIRAÇÃO –  A respiração é a primeira e última relação direta que o ser humano tem com o mundo exterior. Normalmente não damos a devida importância à nossa respiração, ao menos, como ela ocorre. Esquecemos, dessa forma, que além do fornecimento de energia ao organismo e purificação do sangue, é um dos elementos básicos da comunicação oral.

Apesar de ser um ato inconsciente de qualquer ser vivo, o homem perde a maneira natural de respirar e acaba respirando errado. Perde toda a capacidade respiratória. Acaba tencionando e retesando o corpo, os ombros e o pescoço, dificultando a fala e a expressão.

Quando praticada corretamente, a respiração: 1- Ajuda a aliviar a tensão; 2-  Corrige alguns desvios de postura; 3-  Faz o corpo repousar, relaxar; 4-  Massageia órgãos internos; 5-  Contribui para um melhor controle do nosso corpo.

Não é apenas a respiração em si, aspecto importante a ser trabalhado, é essencial também observar a coordenação entre respiração e fonação (A fonação é a articulação de todos os órgãos, respiração e posturas corporais para que a voz seja produzida e se torne um instrumento de comunicação da mensagem a ser transmitida).

ORIENTAÇÃO IMPORTANTE  PARA OS LEITORES NA CELEBRAÇÃO DA EUCARISTIA

RESPIRAÇÃO CORRETA DURANTE UM CANTO OU LEITURA

A pontuação ajuda na respiração: Para uma comunicação eficiente, é indispensável observar a pontuação. Assim, uma vírgula (,), significa breve pausa, onde você deve inspirar rapidamente, a fim de dar continuidade à leitura. Já o ponto final (.), ponto e vírgula (;) e dois pontos (:), representam pausas mais prolongadas onde você pode efetuar um movimento de respiração completo antes de prosseguimento da leitura. A sequência para uma boa leitura deve ser esta:

INSPIRAR (antes de começar a ler ou cantar). ESPIRAR e INSPIRAR nas veazes em que aparecem as pontuações citadas acima. Continuar a leitura e INSPIRAR / ESPIRAR[ /INSPIRAR

 ORIENTAÇÕES PARA UMA BOA LEITURA

O ministério do Proclamador da Palavra é muito importante na celebração eucarística. Antes de tudo, é bom, lembrar que é um ministério, isto é, um serviço à Igreja. Ao proclamar a Palavra de Deus,  o leitor ou salmista não é um simples repetidor de palavras, mas transmissores de uma mensagem de vida. Eles se tornam instrumento que Deus usa para comunicar-se com as pessoas que estão ali, celebrando. Emprestam a boca, voz e todo o seu ser para que a mensagem de Deus possa chegar àquelas pessoas. Quando Leitores e Salmistas deixam Deus falar através deles, a Leitura e o Salmo serão sempre bem proclamados.

OS PROCLAMADORES DA PALAVRA DEVEM tratar com muito respeito o livro santo da Palavra de Deus e tê-lo com fé e alegria, pois são verdadeiros profetas e evangelizadores.

VOCÊ FICA NERVOSO PARA PROCLAMAR A PALAVRA?

Todo mundo fica nervoso, uns menos, outros mais, para desempenhar esta missão. O que fazer? Prepare bem, respire antes de começar, olhe com calma para a Assembleia e encoste a mão na estante para não tremer. O nervosismo diminui com o tempo. Mas ficar menos nervoso não significa que a leitura melhorará. Se você entrar em pânico, respire devagar e fundo. Não se esqueça de olhar para a Assembleia. Coloque as mãos sobre o Ambão (Altar da Palavra) para diminuir o tremor das mãos e sinta-se como um instrumento de Deus naquele momento.

PREPARAÇÃO PARA A LEITURA:

 LER O TEXTO ANTES – Leia antes o texto em voz alta e várias vezes, ouvindo a própria voz. Assim, você entenderá bem o seu sentido e poderá dar a devida entonação a cada frase. Saber com antecedência quais palavras deve ressaltar, onde estão os pontos, as vírgulas, em quais termos poderá travar a língua ou equivocar-se. Eventualmente, marque intervalos, respiração, palavras difíceis, acentos. Grave a sua leitura. A única maneira de aprender a ler bem é ensaiar, de preferência ouvindo a si mesmo num gravador. Você deve entender o que está lendo.  A equipe Celebrativa e a Equipe de Liturgia poderá ajudá-lo a compreender melhor o que vai proclamar.

 LER COM CONVICÇÃO – O fundamental para uma boa leitura é a convicção. O proclamador da Palavra precisa passar a convicção de que acredita naquilo que está lendo. Para isso, ele precisa rezar o texto antes. Abaixo uma oração para ajudar os Proclamadores da Palavra a se tornarem verdadeiros instrumentos de Deus:

“Senhor, tome conta de mim, para que eu seja um instrumento seu na transmissão de sua Palavra viva. Nossa Senhora Aparecida, fique ao meu lado. Amém”.

 APROXIMAR-SE DO AMBÃO COM CALMA E RESPEITO – Ao aproximar-se do local da Leitura, faça-o com respeito e calma, caminhando lentamente e sem chamar a atenção para si. Quando for proclamar a Primeira Leitura, o Leitor segue para diante ao altar e faz a reverência sozinho. Ao dizer “Palavra do Senhor” e o povo responder “Graças a Deus”, segue o Leitor para diante do altar e ali já deve estar esperando quem vai proclamar o Salmo. Ao final, quando se canta ou repete duas vezes a estrofe do Salmo, aquele que vai proclamar a segunda Leitura já segue para diante do altar e junto com o Salmista, faz a reverência diante dele. Quando aquele que proclamou a segunda Leitura diz “Palavra do Senhor” e o povo responder “Graças a Deus”, dirige-se para diante do altar onde o sacerdote o esperará para os dois fazerem a reverência e o padre, depois, proclama o Evangelho.

É importante a maneira como você se veste para esse ministério. Por isso temos a vestimenta própria dos Leitores e Salmistas. Pode acontecer de que algum grupo pastoral tenha a camiseta própria da sua equipe. Neste caso, sendo eles parte da Equipe Celebrativa, podem não usar a veste própria dos Leitores. Porém, a camiseta não pode ser espalhafatosa. Faça tudo com humildade. Você não vai lá para se projetar e nem está em um concurso para saber quem é o melhor. Você é tão somente um instrumento de Deus. Para ser bom instrumento divino, prepare-se para este ministério.

POSTURA DIGNA – Quando você está diante do ambão, tome cuidado com a posição do corpo. Não se trata de ficar rígido como uma estátua, mas também você não deve ler, por exemplo, com a mão no bolso. Se você faz gestos fora,do contexto (balançar as mãos, coçar o nariz, passar as mãos nos cabelos, etc.) vai distrair a assembleia. É o que a gente chama de “ruído” litúrgico. Se o pé está doendo, deixe doer. Se não houver ambão, escolha um lugar bem visível. Não se esconda.

OBSERVE A ACÚSTICA – Dependendo da acústica da igreja, o som ressoa muito alto e confuso. Faz eco.  Neste caso, para que todos entendam leia devagar e pausadamente.

O BOM USO DO MICROFONE – Logo ao chegar, verifique com calma se seu microfone está ligado (a chavinha deve estar para cima). Há microfones que captam a voz em 360 graus. Para este tipo de microfone segure-o uns cinco centímetros abaixo da boca. Não na frente da boca, para não sair o ruído do sopro e não encostar o microfone na boca.

IMPORTANTE: Regule o microfone antes da celebração.  Nunca bata nem sopre no microfone para experimentar. Use somente a voz para testar. Se o microfone parar de funcionar, continue normalmente a leitura, apenas fale mais alto.

LEIA COM BOA VELOCIDADE – Não leia rápido demais. Também não leia muito lentamente, com pausas prolongadas, para não entediar os ouvintes. O principal defeito do proclamador da Palavra é de ler muito depressa.

Abaixo há um exemplo de leitura feita depressa demais. Tente decifrar o que foi dito. Os três pontinhos significam as sílabas que não foram bem pronunciadas pela pressa da leitura:

O po…  trilha.. sem ru… bucan… u´a no… vi…

O que foi lido? Quando lemos rápido demais as últimas sílabas ficam inaudíveis. Tente colocar as últimas sílabas e decifre o que foi lido.

NÃO BASTA LER BEM

Se pronunciarmos bem as palavras, inclusive a última sílaba, ainda não é tudo. Os ouvintes podem entender a leitura, mas só isso não a faz penetrar nos corações. Palavra que não penetra no coração é proclamada por aquele leitor que vai depressa ao ambão, começa sem olhar para o povo, lê depressa e volta mais depressa ainda para a cadeira.

IMPORTANTE  Ao chegar ao ambão, respire  antes de começar a ler, mire a assembleia e a acolha com o olhar e com um suave sorriso.

 PRONUNCIE BEM AS PALAVRAS – Pronuncie completamente todas as palavras. Principalmente não omita a pronúncia dos “s” e “r” finais e dos “i” intermediários.  Por exemplo: fale com calma:

primeiro, janeiro, terceiro, precisar, trazer, levamos,

Quando você lê com pressa, pode sair:

janero, tercero, precisa, traze, levamo…

Pronunciando todos os sons corretamente, a mensagem será compreendida e haverá maior valorização da imagem de quem lê.

Faça exercícios para melhorar a dicção lendo qualquer texto com uma rolha ou mesmo caneta entre os dentes e procurando falar de forma mais clara possível.

LEIA COM BOA INTENSIDADE – Se ler muito baixo, as pessoas que estiverem distantes não entenderão as palavras e deixarão de prestar atenção. Também não deverá ler muito alto porque, além de se cansar rapidamente, poderá irritar os ouvintes. Leia numa altura adequada para cada ambiente ou serviço de som. Nunca deixe, entretanto, de ler com entusiasmo e vibração. Se não demonstrar interesse por aquilo que transmite, não conseguirá também interessar os ouvintes.

LEIA COM BOM RITMO – Alterne a altura e a velocidade da leitura para construir um ritmo agradável de comunicação. Quem lê com velocidade e altura constante acaba por desinteressar os ouvintes, pela maneira “descolorada” com que se apresenta. Exemplificando: a leitura com alternação de altura da voz e velocidade concede “emoção” à proclamação da Palavra. Já uma leitura feita sem alteração de velocidade a altura é como um rec-roc-rec-roc de um serrote.

EXPRESSIVIDADE – Colocar expressão e sentimento na leitura. Observe que o tom de voz é diferente quando se está narrando alguma coisa e quando se está pronunciando a palavra de alguém.  Por exemplo, ao ler Lc 10, 38-42, a assembleia deve sentir a afobação de Marta e a serenidade de Jesus. Leia de acordo com o tipo de texto: poesia, comentário, história, oração, salmo… A leitura deve ter ritmo! Mais que ler, procure Proclamar a Palavra de Deus.

OLHAR PARA O POVO – O olhar não deve estar o tempo todo fixo no livro, mas de vez em quando, levantá-lo e dirigi-lo com tranquilidade aos que escutam a Palavra e deixá-la chegar ao coração. Ao final da leitura, levante os olhos, faça uma pausa, fite as pessoas para então dizer: “Palavra do Senhor”. E não saia ao Ambão antes da resposta do povo: “Graças a Deus”.

O COMEÇO DA LEITURA – Você começa dizendo: “Leitura dos Atos dos Apóstolos”. Não precisa falar “Primeira” ou “Segunda” leitura e nem dizer Capitulo e Versículos.

DICAS DE BOA EDUCAÇÃO VOCAL

  • Tomar pelo menos 8 copos de água diariamente;
  • Não respirar de boca aberta se o ambiente for úmido, com mofo;
  • O nariz tem função de purificar o ar. Sempre que não estiver falando, respire pelo nariz; Não sair com voz aquecida na friagem (se precisar sair na friagem, use cachecol em torno do pescoço para aquecer a garganta e não respire pela boca).
  • Maçã é ótima para cortar a salivação excessiva; Gengibre é uma boa opção ou chá de menta, antes de ir dormir. Não sair na friagem após tomar estes produtos; Cansaço físico (estafa) afeta a voz. Quando houver rouquidão, o repouso vocal é importante. Não sussurre, pois força a garganta e produz o mesmo efeito que falar alto. Quando tiver catarro preso na garganta use taponagem, que são batidas leves para soltar o catarro nas costas. O catarro é também liberado da garganta pronunciando a letra “R” fazendo vibrar as cordas vocais. Quando estiver com o peito cheio de catarro, o melhor é a inalação.

Quando acordamos, nosso corpo está em estado basal (pouca energia), portanto é preciso diminuir o esforço vocal. Não se deve gritar ou cantar ao acordar. Antes disso se deve aquecer a garganta. Conforme as orientações que estão listadas nos Exercícios Vocais logo adiante. Jamais gritar em ambiente ruidoso (com muito barulho).

 Nesta posição respiramos mais naturalmente, o que pode ser observado colocando a mão sobre o diafragma e sentindo seu movimento. Seria conveniente que se treinasse para se ter uma respiração total, normalmente.

 RESPIRAÇÃO EM 4 TEMPOS:

Inspiração: 1,2,3,4    Pausa: 1,2,3,4  Expiração: 1,2,3,4

MOVIMENTO DOS OMBROS E BRAÇOS

BRAÇOS ao longo do corpo. Subir um braço de cada vez, levemente. Inspirar no momento em que ele sobe até a orelha e expirar no momento em que ele desce, fazendo movimentos circulares. Quatro ou cinco vezes cada braço. Em seguida, relaxar o tronco, inclinando para frente, soltando os braços.

OMBROS: depois de baixar os braços, faça movimentos circulares com os dois ombros.

RELAXAMENTO:

PÉ: Erguer um pé movimente-o para frente, para trás, de lado e circular (fazer o mesmo com o outro pé).

JOELHOS: Por as mãos no joelho, abaixar um pouco e movimentá-los para dentro e em forma circular.

CABEÇA: movimentar lentamente para a direita, esquerda, frente, atrás, circular. Várias vezes. Inspirar quando levantar e espirar quando abaixar a cabeça.

OMBROS: Levantar levemente o ombro direito querendo chegar até a orelha. Fazer o mesmo com o esquerdo. Elevar os dois e mantê-los elevados. Relaxar de uma vez.

VOZ – Aprenda a usar a voz corretamente. Não concentre sua força, ao falar, na garganta. Não confundir gritar com falar alto. Solte sua foz naturalmente, principalmente através do canto.

Os exercícios vocais podem ser repetidos com frequência. Faça do treinamento uma rotina, ainda que sejam apenas alguns minutos por dia. Com os treinamentos, o resultado virá. Não basta saber a técnica, é preciso exercitá-la intensamente. Pronuncie bem as silabas. Fale firme. Não engolir os “S” nos finais das palavras. Pronuncie as palavras com a parte da frente da boca (fale para fora).

Pronuncie o som: MMMMMMMMMMMM até vibrar a região dos lábios.  Depois de vários exercícios, acrescente sucessivamente as 5 vogais, assim:

MMMMMMMMMMMM    AAAAAAAAAAA    MMMMMMMMMMMM    EEEEEEEEEEEE

MMMMMMMMMMMM     IIIIIIIIIIII        MMMMMMMMMMMM    UUUUUUUUUUUUUU

Pronuncie cada vogal de modo diferente.

Com a boca aberta. è Com a boca entreaberta, como num leve sorriso. è Com os lábios não muito aproximados. è Com a boca arredondada. è Com os lábios pontudos, mas a boca inteiramente aberta.

A IMPORTÂNCIA DO RITMO NA LEITURA

Para haver uma boa comunicação, é necessário ritmo, que surge da combinação de vários elementos: volume, velocidade, entonação.

VOLUME. De acordo com o contexto, aprenda a alterar o volume de sua voz. Quando falar para um grande público, sem microfone, projete sua voz para que atinja quem estiver sentado na última cadeira.

VELOCIDADE. Evite falar devagar ou depressa demais. Alterne a velocidade sempre que possível.

ENTONAÇÃO. É aquilo que dá vida e movimento ao discurso. Às vezes, na leitura de um texto, a entonação já vem indicada pela pontuação. Vamos ler as frases abaixo respeitando as pontuações:

O Homem caiu (ler sem transmitir expressão na voz).

O Homem caiu? (ler expressando espanto na voz)

O Homem caiu! (ler expressando admiração na voz)

 Pronunciar as frases abaixo procurando enfatizar as palavras grafadas em negrito:

Deus fez o mundo em seis dias e no sétimo descansou.

Deus fez o mundo em seis dias e no sétimo descansou.

Deus fez o mundo em seis dias e no sétimo descansou.

Deus fez o mundo em seis dias e no sétimo descansou.

Deus fez o mundo em seis dias e no sétimo descansou.

Deus fez o mundo em seis dias e no sétimo descansou.

OBSERVAÇÃO: Com a repetição, esses exercícios produzem excelentes resultados. Eles podem ser feitos individualmente, mas quando realizados em grupo, o resultado ainda é melhor e mais rápido. Grave sua voz e pouco a pouco, vá conferindo o progresso.

EXERCÍCIO DE TRAVA-LÍNGUA

Leia os textos abaixo e, aos poucos, aumente a velocidade. Quando errar uma palavra, pare e comece novamente:

 “B” – Bela baila boiava, boneca de bronze bailava, burlando e botando bufão, umbulesco bedeguê-guedebê da Bahia.

 “T”; “TR” – Tavares tratava de tomar a tatuzinho, talvez porque triturasse seu ar triste. Trancou-se triunfante quando viu tramontina tripudiando Tereza que trazia tâmaras. Carmela concentrava-se como uma cobra, quando caboclo Carolino caminhando cansado depois de seu combate na guerra do Coriolano correu para encontrá-lo. Carmela com o confeite na mão saltou de trás do pé da catuqueira na frente de Carolino que estava conturbado e não conseguia cortar o caju cristalizado.

P – COM –  Quem a paca cara compra, cara paca comprará

MA GA MA GA No ninho de mafagafa, tinham sete mafagafinhos. Quando a mafagafa canta, cantam os sete mafagafinhos. No ninho de mafagafa, tinham sete mafagafinhos. Quem desmafagafa a mafagafa, bom desmafagafador será.

CHA CHU   Chico chutou a chave da chácara. A chave caiu. Chico chorou porque a chave perdeu. Não chore Chico, a chave achei. Estava no chão, perto do cocho quando cheguei.

 VO VE VU VI –  Vozes veladas, veludosas vozes; volúpia de violões, vozes veladas, vagam nos velhos vórtices velozes dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.

EXERCÍCIOS DE ARTICULAÇÃO

Orientação: Ler o texto abaixo de várias maneiras:

  • Leia, primeiro, de forma lenta e pausada.
  • Depois, leia naturalmente, como se lesse só para você.
  • Por último, Leia aceleradamente, o mais rápido que conseguir como se fosse um locutor de corrida.

 CORRIDA DE CAVALOS

Atenção, foi dada a partida para o 5º páreo, prova especial em 1.400 metros. Excelente partida saindo todos emparelhados tomou a ponta o Alazão Lambari que vai livrando logo um corpo inteiro de vantagem para Urutau, correndo em segundo, seguido de perto por Borboleta. Tangará que já estava atrasado passa para a 3ª posição. Continua na ponta Lambari ainda com um corpo inteiro para Urutau que tenta a 1ª colocação agora junto com Borboleta que num estilo vigoroso passa já para o 2º lugar e vai alcançando Lambari que resiste ao impetuoso ataque. Borboleta avança livrando cabeça, pescoço, meio corpo e já corpo inteiro. Na frente Borboleta, a grande favorita, em 2º, Lambari, em 3º Urutau, em 4º Vagalume e em 5º Tangará. Contornam a 1ª metade da grande curva. Na ponta Borboleta que vem tinindo fortemente atacada por Lambari. Em 3º Urutau que tenta desesperadamente reconquistar a 2ª colocação. Em 4º, emparelhados, Vagalume e Tangará contornam a grande curva e entram na reta final. Urutau é agora atacado por Tangará que passa de passagem para o 3º, deixando Urutau para trás. Três animais no mesmo plano disputando a 1ª colocação. Pequena vantagem de Lambari sobre Borboleta, violenta investida de Borboleta que consegue novamente livrar cabeça, pescoço, meio corpo e corpo inteiro, em alta velocidade, cruzam a reta final. Borboleta, uma égua que surpreendeu no seu belíssimo desempenho, derrotando o Alazão, foi a grande vencedora do páreo, em 2º Lambari, em 3º Urutau, em 4º Tangará e em 5º Vagalume.

TREINAMENTO PARA OBTER FÔLEGO: CAFÉ COM PÃO

Tentar falar cada frase abaixo, uma por vez, usando todo o ar que inspirou. Quanto menos inspirações você der, mais fôlego estará desenvolvendo.

  • Que foi com isso maquinista / agora sim / agora sim / café com pão / agora sim / agora sim / agora sim / café com pão.
  • Voa fumaça / corre cerca / ai seu foguista / bota fogo / na fornalha / que eu preciso / muita força / muita força / foge bicho / foge povo!
  • Passa ponte / passa poste / passa pasto / passa boi / passa boiada / passa galho / de ingazeira / debruçada / no riacho / que vontade / de cantar!
  • Vou mimbora / vou mimbora / não gosto daqui / nasci no sertão / sou de Ouricuri / vou depressa / vou correndo / vou na toda / que só levo / pouca gente / pouca gente / pouca gente.

O SEGREDO DO SUCESSO É O TREINAMENTO”!

Repita várias vezes cada frase abaixo, até conseguir falar todo o texto num só fôlego!

Orientação – Inicialmente pronunciar estas sequências com calma. Em seguida, variar a velocidade e a tonalidade.

  • ZAS  XAS  VAS  VRAS  TAS  TRAS   SAS  RAS  QUIAS  PAS  PRAS  NAS  MAS  LAS  JAS  GAS  GRAS  FAS  FRAS  DAS  DRAS  CAS  CRAS  BAS   BRÁS
  • ZES  XES  VES  VRES  TES  TRES  SES  RES  GUES  PES  PRES  NES  MES  LES  JES  GUES  GRES  FES  FRES  DES  DRES  QUES  CRES  BES  BRES
  • ZIS  XIS  VIS  VRIS  TIS  TRIS  SIS   RIS  QUIS  PIS  PRIS  NIS  MIS  LIS  JIS  GUIS  GRIS  FIS  FRIS  DIS  DRIS  QUIS  CRIS  BIS  BRIS
  • ZOS  XOS  VOS  VROS  TOS  TROS  SOS  ROS  QUOS  POS  PROS  NOS  MOS  LOS  JOS  GUOS  GROS  FOS  FROS  DOS  DROS  QUOS  CROS  BOS  BROS
  • ZUS  XUS  VUS  VRUS  TUS  TRUS  SUS  RUS  CUS  PUS  PRUS  NUS  MUS  LUS  JUS  GUS  GRUS  FUS  FRUS  DUS  DRUS  CRUS  BUS  BRUS
  • ZAR  XAR  VAR  VRAR TAR  TRAR   SAR          RAR  QUIAR  PAR  PRAR  NAR  MAR  LAR  JAR  GAR  GRAR  FAR  FRAR  DAR  DRAR  CAR  CRAR  BAR   BRAR
  • ZER  XER  VER  VRER TER  TRER   SER            RER  QUIER  PER  PRER  NER  MER  LER  JER  GER  GRER  FER  FRER  DER  DRER  CER  CRER  BER   BRER
  • ZIR  XIR  VIR  VRIR TIR  TRIR   SIR           RIR  QUIR  PIR  PRIR  NIR  MIR  LIR  JIR  GIR  GRIR  FIR  FRIR  DIR  DRIR  CIR  CRIR  BIR   BRIR
  • ZOR  XOR  VOR  VROR TOR  TROR   SOR         ROR  QUOR  POR  PROR  NOR  MOR  LOR  JOR  GOR  GROR  FOR  FROR  DOR  DROR  COR  CROR  BOR   BROR

PARA RELAXAMENTO DA VOZ

Com os dedos apoiados no nariz, vibrar boca e nariz.

Emitir som de abelha (hummm), por +/- um minuto.

Ficar +/- 30 segundos em silêncio.

Articulando maxilar pronunciar:

Mua, mué, mue, mui,muó, muo, muu,

Repetir três vezes

Ficar em silêncio por 30 segundos.

 Exercícios para a respiração

A respiração é um aspecto fundamental na hora de falar. Fale devagar para não ficar ofegante e não respire pela boca. Lembre-se a pessoa do outro lado da ligação ouve tudo.

Vamos mostrar dois exercícios diários para melhorar a respiração:

 Respiração diafragmática: Para fazer esse exercício deite-se com os pés um pouco afastados, com os braços colados ao corpo e com as palmas das mãos viradas para cima. Depois respire pelo nariz suavemente, apoie uma das mãos sobre o peito e coloque a outra logo abaixo da costela. Continue respirando fundo e expirando, até se sentir calmo.

 Nadi shodana

Na respiração Nadi Shodana é preciso sentar e colocar o dedo médio e o indicador da mão direita entre as sobrancelhas. Depois disso expire. Depois tampe a narina direta com seu polegar e inspire. Solte o polegar tampe a narina esquerda com o anelar e expire. Repita esse movimento alternando as narinas. Faça esse processo doze vezes.